No Tocantins, dono instala ar-condicionado em casinha da cadela

0
315

Nesta época de tempo seco e temperaturas de até 40ºC, o autônomo Wyomar Ramos de Araújo, de 39 anos, morador de Guaraí, cerca de 170 quilômetros de Palmas, no Tocantins, não hesitou em instalar um ar-condicionado na casinha de sua cachorra, Hana, para evitar que ela sofresse os efeitos do calor. A sugestão foi da filha Wyomara, de 11 anos. Ele resolveu acatar depois de notar como a pastora alemã, de um ano e um mês, ficava inquieta nos dias mais quentes. “Hana ficou tão feliz, que, no primeiro dia, nem queria sair mais da casinha”, conta Araújo, que trabalha com instalação e manutenção de ar-condicionado.
098789
O luxo, porém, tem de ser controlado, em virtude da alta constante nas tarifas de energia elétrica. Quando o calor aumenta, o aparelho fica ligado por até duas horas. Mas Araújo não se preocupa com o custo e garante que dá para diminuir o gasto, apagando as luzes e desligando a televisão. A veterinária Ana Lúcia Galvão diz que não há problema nenhum em manter os animais em ambientes climatizados. Ao contrário: temperaturas entre 22ºC e 26ºC aumentam o bem-estar deles. Porém, assim como ocorre com os humanos, alguns cuidados devem ser tomados, como evitar que o vento gelado vá direto ao animal ou que ele fique entrando e saindo do frio para o calor. O choque térmico pode causar algumas doenças, principalmente respiratórias.
Ana Lúcia aconselha, ainda, que, no caso de a casinha ser totalmente fechada, como um quarto, colocar recipiente com água sempre fresca, para umidificar o ar e também para manter o animal hidratado.

Fonte – ISTOÉ