Mãe de Tupãense ferido no olho em trote em Adamantina diz que filho quer voltar á faculdade

0
231

O  jovem de Tupã  se recupera da grave lesão que sofreu no olho esquerdo depois de ter sido ferido durante um trote promovido por alunos de uma faculdade da cidade de Adamantina (SP), no primeiro dia de aula.

O calouro de 18 anos foi atingido por rosto por um líquido ainda não identificado e, apesar de estar com medo, pretende voltar à universidade. A violência ocorreu na mesma faculdade onde  queimaram a perna de uma jovem, também durante o trote. O caso foi na noite de segunda-feira (2).

Em entrevista ao G1 nesta quinta-feira (5), a mãe do estudante afirma que o filho prefere não ser identificado, pois, apesar da violência, quer voltar à faculdade assim que for liberado pelos médicos.

Kelly conta ainda que o filho não consegue dormir e que está tomando diversos medicamentos para tentar diminuir a dor no olho. “Ele reclama muito de dor e está a base de anestésicos. Os médicos deixaram bem claro que a lesão foi grave e que o olho foi queimado. Os remédios devem ajudar a regenerar a córnea, mas eles não descartam que a visão pode ficar comprometida”, afirma Kelly Cristina Cassilho.

Para a mãe, o jovem informou que os veteranos abordaram os alunos logo na saída do ônibus enquanto chegavam na faculdade. “Ele mal desceu e já foi pintado pelos outros estudantes, mas disso ele não reclamou porque foi uma brincadeira normal. Depois disso, o grupo de estudantes da turma dele, engenharia ambiental, enfileirou os alunos e começou a jogar tintas estranhas e com cheiro ruim”, comenta a esteticista.

O estudante comentou também para a mãe que não conhece os autores do trote e não saberia identificar. Por causa de outro caso na universidade, o boletim de ocorrência registrado pelos parentes do morador de Tupã deve ser encaminhado para a delegacia de Adamantina, que irá investigar o caso.

Uma declaração do médico que atendeu o estudante afirma que a vítima apresentou quadro de queimadura química com 70% da córnea desepitelizada, ou seja, desgaste ocorrido depois de um arranhão ou queimadura no olho esquerdo.

Segundo Kelly, ele passará por uma nova consulta na sexta-feira (6) para saber se os medicamentos estão surtindo efeito e se os danos causados na córnea são reversíveis.

ngqHrpdCU5BfT0W

Fonte: G1