Polícia Federal fecha jornal Diário de Marília

0
267

A Polícia Federal (PF) de Marília em ação conjunta com o Núcleo de combate à corrupção da Procuradoria Regional da República da 3ª região (SP), deflagrou na tarde desta terça-feira (24), na sede do jornal Diário de Marília, no Centro da cidade, a 2ª fase da Operação Miragem.

A fase, denominada de “O 5º Mandamento”, cumpre ordens do Tribunal Regional da 3ª Região.

De acordo com a PF, são dois mandados de busca e apreensão (um deles no prédio do jornal) e um mandado de prisão preventiva. Não foi informado o nome da pessoa procurada pela Justiça.

“A Polícia Federal está dando efetividade à ordem para suspensão integral das atividades de grupo econômico de comunicação com atuação considerada irregular, sediado em Marília (SP)”, disse a PF em nota.

Na prática isso significa que o jornal Diário de Marília foi fechado e não circula mais na cidade já a partir de amanhã (25).

“Nesta fase os envolvidos estarão sendo investigados, a princípio, pelos crimes de coação no curso do processo, fraude processual, e embaraço à investigação de organização criminosa”, complementa a nota.

A exemplo das investigações originais que culminaram na 1ª fase da Operação Miragem, o processo encontra-se em segredo de Justiça.

Entenda

A operação investiga crimes como associação criminosa, falsidade ideológica, uso de documento falso, desenvolvimento clandestino de atividade de telecomunicação, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

O grupo de comunicação Central Marília Notícias (CMN) foi o principal alvo da ação. A CMN (complexo que abriga as rádios Diário e Dirceu, e o jornal Diário de Marília), é suspeita de ocultar políticos que são os reais proprietários do grupo.

Nos bastidores, especula-se que Abelardo e Vinícius Camarinha seriam os reais dono do grupo, fato este veementemente negado pelos políticos.

Outra suspeita é de que dinheiro público desviado de Marília estava sendo enviado para o exterior através da CMN

Há também indícios de crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, consistente na provável evasão de divisas por parte de um investigado, utilizando-se de empresa já investigada no âmbito da Operação Lava Jato.

Em agosto do ano passado as tradicionais rádios Dirceu AM e Diário FM de Marília foram lacradas, por falta de documento verídico que regularizasse sua situação na Anatel.

Vale lembrar que a CMN, recebeu oficialmente em 2015 pouco mais de R$ 25 mil por mês da Prefeitura de Marília em contratos publicitários.